logo

COVID 19: De frente com a morte


Por Mario Spinola Jr

COVID 19: De frente com a morte

Foto: Reprodução

Quando se está com Covid, são vários os sintomas que são apresentados pelo doente, entre eles está a confusão mental.

O coronavírus entra na gente e vai devorando nossas forças, nossos ânimos, nosso ar, nossa coragem, nosso apetite e principalmente nossos pulmões.

Tosse. Calafrios e cansaço também fazem parte desses momentos de sofrimentos. No entanto, o pior dos sintomas é a sensação de que estamos frente a frente com a morte.

A solidão em um quarto ora frio, ora quente, com pesadelos indescritíveis acontecem todo tempo.

A dor no peito e o conflito mental aparecem com frequência e a morte está ali bem na sua frente, travando uma luta contra ti.

Conheço pessoas que tiveram até 80% de seus pulmões comprometidos e afirmaram que não sentiam dores. Eu tive 25%. No entanto, sentia tanta dor que em duas noites tive que dormir sentado em uma cadeira de fio porque não conseguir me mover para nenhum dos lados.

Não estive internado, mesmo porque nos momentos mais difíceis não procurei atendimento médico. Estava totalmente desorientado. Más segundo o médico foi por muito pouco que não houve essa necessidade.

A Covid já levou vários amigos e conhecidos e me fez derramar muitas lágrimas.  

Quando afirmei para a médica sobre a confusão mental ela me disse que os pacientes dela dizem isso sempre que entram em seu consultório.

Eu pensava em médicos, enfermeiros e outros profissionais da saúde, além de pessoas jovens e totalmente saudáveis que haviam perdido a luta para a Covid 19.

Depois eu pensava em relação às pessoas religiosas que haviam partido e tentava comparar o “tamanho da fé de cada um deles com a minha”, através de seus atos e percebia que não tinha nenhuma condição de sobreviver. A morte estava em minha frente e me levaria de qualquer forma.

Só uma coisa tinha comigo, era a vontade de lutar. Lutar muito. E lutava. Lutava contra a doença, a falta de fé e principalmente com a morte.

Sei que a minha fé é muito pequena. Mas funcionou. Junto com a Ciência e o cuidado e carinho das pessoas que cuidaram de mim, lá na UPA do Cristo Rei.

A vitória veio pela Graça e Misericórdia de Deus.

Sou grato. Ainda não foi dessa vez. Obrigado Senhor!!!

Ps. O objetivo em contar a minha história é para você saber que “Tudo é possível ao que crê”. Se você for infectado lute, lute com a morte.

Não deixe a confusão mental te enganar. Não tente comparar a sua fé com a fé de ninguém. Entregue sua vida a Deus e vai em frente.

Por: Mário Spinola Jr. - Escritor, Professor formado em Pedagogia, Ciências Naturais, Matemática, Química, Especialista em Psicopedagogia